Análise prototípicea das representações sociais sobre as infecções sexualmente transmissíveis entre adolescentes Análise prototípicea das representações sociais sobre as infecções sexualmente transmissíveis entre adolescentes

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Victor de Oliveira Santos https://orcid.org/0000-0002-6661-2873
Ludgleydson Fernandes de Araújo http://orcid.org/0000-0003-4486-7565
Jefferson Luiz De Cerqueira Castro https://orcid.org/0000-0002-7990-7611
André Faro https://orcid.org/0000-0002-7348-6297

Keywords

Infecções sexualmente transmissíveis, Representações Sociais, Adolescentes

Resumen

Objetivo: Este estudo teve como objetivo apreender e analisar as representações sociais de adolescentes acerca das doenças sexualmente transmissíveis.


Método: Participaram 576 adolescentes, com idade média de 15,67 anos (DP= 1,66). Utilizou-se a técnica de associação livre de palavras, com o estímulo indutor “infecções sexualmente transmissíveis”, que foi utilizada a técnica da análise prototípica, através do programa IRAMUTEQ.


Resultados: As representações sociais dos participantes enfatizam os riscos e as formas de prevenção, os conhecimentos básicos sobre as infecções sexualmente transmissíveis, a irresponsabilidade de fazerem sexo desprotegido mesmo sabendo das consequências.


Conclusão: Identifica-se a necessidade de implantação de programas de educação em saúde dentro das escolas, utilizando métodos didáticos e reflexivos com profissionais da saúde, que permitam a mudança de atitudes diante da exposição as infecções sexualmente transmissíveis.

Abstract 45 | PRE-PRINT Downloads 29

Citas

Abric, J. C. & Campos, P. H. F. (1996). Les éducateurs e leur représentation de l’enfant de rue au Brésil. Em J. C. Abric (Org.), Exclusion sociale, insertion ET prévention (pp. 137-149). Saint Agne: Erès.

Abric, J. C. (1998). A abordagem estrutural das representações sociais. Em A. S. P. Moreira & D. C. Oliveira (Orgs.), Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 27-38). Goiânia: AB.

Abric, J. C. (2002). L’approche structurale des représentations sociales: Développements récents. Psychologie et Société, 4, 81-103. Recuperado de: http://www.europhd.net/bibliographic-item/lapproche-structurale-des-repr%C3%A9sentations-sociales-d%C3%A9veloppements-r%C3%A9cents

Almeida, A. N. F. S., Silva, A. F., Correia, D. C. S., Sumaya, C. A. O., Miranda, W. F., Peixoto, A. L. V. A., & Oliveira, R. D. C. B. (2015). Ações educativas para prevenção de gravidez indesejada e de doenças sexualmente transmissíveis (IST) entre universitários. Entre Aberta Revista de Extensão, 1(1), 1-1. Recuperado de: http://revistas.cesmac.edu.br/index.php/entreaberta/article/view/299/218

Almeida, R. A. S., & Corrêa, R. G. C. F., & Rolim, I. T. P., & Hora, J. M., & Linard, A. G., & Coutinho, N. P. S., & Oliveira, P. S. (2017). Conhecimento de adolescentes relacionados às doenças sexualmente transmissíveis e gravidez. Revista Brasileira de Enfermagem, 70 (5), 1087-1094. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0531.

Amoras, B. C., Campos, A. R., & Beserra, E. P. (2015). Reflexões sobre vulnerabilidade dos adolescentes a infecções sexualmente transmissíveis. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, 8(1), 163-171. Recuperado de: https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/1668.

Aragão, J. S., França, I. S. X., Coura, A. S., Medeiros, M., Campos, C., & Enders, B. C. (2016). Vulnerabilidade associada às infecções sexualmente transmissíveis em pessoas com deficiência física. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 21(10), 3143-3152. http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152110.20062016.

Araújo, L. F., Lôbo, C. J. C., Santos, J. V. O., & Sampaio, A. V. F. C. (2017). Concepções Psicossociais acerca do Conhecimento sobre a AIDS das Pessoas que Vivem com o HIV. Revista Colombiana de Psicología, 26(2), 219- 230. http://dx.doi.org/10.15446/rcp.v26n2.59349

Bermúdez, M. D. L. P., Araújo, L. F. D., Reyes, A. O., Hernández-Quero, J., & Teva, I. (2016). Analysis of cognitive variables and sexual risk behaviors among infected and HIV-uninfected people from Spain. AIDS care, 28(7), 890-897. http://dx.doi.org/10.1080/09540121.2016.1161163.

Campos, P. H. F., & Rouquette, M. L. (2003). Abordagem estrutural e componente afetivo das representações sociais. Psicologia: reflexão e crítica, 16(3), 435-445. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/%0D/prc/v16n3/v16n3a03.pdf

Carneiro, R. F., Silva, N. C., Alves, T. A., Brito, D. C., & Oliveira, L. L. (2015). Educação sexual na adolescência: uma abordagem no contexto escolar. SANARE-Revista de
Políticas Públicas, 14(1),104-108. Recuperado de: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/617/334.

Costa, A. C. P. D. J., Araújo, M. F. M. D., Araújo, T. M. D., Gubert, F. D. A., & Vieira,nN. F. C. (2015). Protagonismo de adolescentes na prevenção de doenças
sexualmente transmissíveis. Acta paul. Enferm, 28(5), 482-487. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500080

Costa, S. P., Silva, T. B., Rocha, T. A., Guisande, T. C. C. A., Cardoso, A. M., Gomes, J. L., & Guisande, M. T. C. R. (2016). Saberes e representações de vulnerabilidade para IST/HIV/AIDS por jovens universitárias. REVISTA DE PSICOLOGIA, 10(31), 25-42. http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v10i31.483

Crusoé, N. M. D. C. (2004). A Teoria das Representações Sociais em Moscovici e sua importância para a pesquisa em educação. Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, 2(2), 105-114. Recuperado de: http://www.uesb.br/editora/publicacoes/aprender/edicoes/Aprender%20n.%202.pdf#page=10

Cunha, A. C. G. D. P., Caramelo, F., Patrício, M., Camarneiro, A. P., Cardoso, S. M., & Pita, J. R. (2017). Impacto de um programa de intervenção educativa nos comportamentos sexuais de jovens universitários. Revista de Enfermagem Referência, (13), 71-82. Recuperado de:
https://search.proquest.com/openview/56f9d3084a0e-28bed437d240a6d4c799/1?pqorigsite=gscholar&cbl=2036194.

Dessunti, E. M., & Reis, A. O. A. (2012). Vulnerabilidade às IST/aids entre estudantes da saúde: estudo comparativo entre primeira e última série. Ciência, Cuidado e Saúde, 11(5), 274-283. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v11i5.17738

Francisco, M. T. R., Fonte, V. R. F., Spindola, T., Martins, E. R. C., Costa, C. M. A., & Pinheiro, C. D. O. P. (2015). Conhecimento sobre HIV/aids e a utilização do preservativo entre os participantes do carnaval. Revista Cubana de Enfermería, 30(3). Recuperado de: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/295/94.

Guevara-Sotelo, Y., & Hoyos-Hernández, P. A. (2018). Vivir con VIH: experiencias devestigma sentido en personas con VIH. Psicogente, 21(39), 127-139. https://doi.org/10.17081/psico.21.39.2827

Guimarães, D. A., Oliveira, C. A. M., Lima, R. A., Silva, L. C., Avelar, C. R. T., & Gama, C. A. P. (2017). Formação em saúde e extensão universitária: discutindo sexualidade e prevenção de IST/aids. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 19(2), 124-132. Recuperado de: http://www.periodicos.ufes.br/RBPS/article/viewFile/18870/12847

Henkes, R., Dias, J. M., & Cruz, R. F. (2016). Considerações sobre a análise institucional em um serviço público de atendimento especializado a portadores de IST/Aids. Trabalho apresentado em Salão de Ensino e de Extensão. Anais do Salão de Ensino e de Extensão, Recuperado de: http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/salao_ensino_extensao/article/view/15322.

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ. Recuperado de:
https://books.google.com.br/books/about/As_representa%C3%A7%C3%B5es_sociais.html?id=zhWfAAAACAAJ&redir_esc=y

Junqueira, M., Silva, E. V. B., Santos, J. R., Silva, P. P. B. A., Cavalcanti, I. F. M., & Silva, F. P. (2016). Infecções sexualmente transmissíveis: atuação do enfermeiro nas açõeseducativas na
adolescência. Revista Saúde-UNG, 10(1 ESP), 128. Recuperado de: http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/2725.

Krabbe, E. C., Brum, M. D., Capeletti, C. P., Costa, T. D. S., Mello, M. L., Vieira, P. R., & de Carvalho, T. G. M. L. (2016). Escola, sexualidade, práticas sexuais e vulnerabilidades
para as infecções sexualmente transmissíveis (IST). Revista interdisciplinar de ensino, pesquisa e extensão, 4(1), 75-84. Recuperado de: http://www.revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/eletronica/article/view/4387/pdf_73.

Lima, S. P. (2016). Infecções sexualmente transmissíveis e seus fatores de risco em pessoas com deficiência. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem),
Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande. Recuperado de: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/12848

Lopes, A. P. B., & Brandão, G. O. (2013). A abordagem da AIDS nos livros de biologia. Brasília: UNICEUB. Recuperado de: http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/6464/1/21052166.pdf

Mburu, G., Hodgson, I., Kalibala, S., Haamujompa, C., Cataldo, F., Lowenthal, E. D., & Ross, D. (2014). Adolescent HIV disclosure in Zambia: barriers, facilitators
and outcomes. Journal of the International AIDS Society, 17(1). http://dx.doi.org/10.7448/IAS.17.1.18866

Mesquita, J. S., Costa, M. I. F., Luna, I. T., Silva, A. A., & Pinheiro, P. N. C. (2017). Fatores de risco e de proteção entre adolescentes em relação às IST/hiv/aids. Revista de enfermagem UFPE, 11(3), 1227-1233. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i3a13498p1227-1233-2017

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2006). Manual de bolso controle das doenças sexualmente transmissíveis – IST. Ministério da Saúde: Brasília. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_controle_das_dst.pdf

Ministério da Saúde. (2014). Boletim Epidemiológico: AIDS e IST 2014. Ministério da Saúde: Brasília. Recuperado de:
http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/dezembro/01/boletim-epidemiologico-hiv-aids-2014.pdf

Nóbrega, S. M; Coutinho, M. P. L. (2003) O Teste de Associação Livre de Palavras. In: COUTINHO, M. P. L. (Org.) Representações Sociais: Abordagem interdisciplinar. (pp. 67-77). Editora Universitária, UFPB, João Pessoa. Recuperado de: https://books.google.com.br/books/about/Representa%C3%A7%C3%B5es_sociais.html?id=DSrxAAAAMAAJ

Oliveira, F. A., de Queiroz, A. M., de Sousa Chaves, M. A., Branco, M. F. C. C., & Mendes, I. C. (2017). Atividades lúdicas desenvolvidas com adolescentes escolares sobre prevenção de infecções sexualmente transmissíveis. Revista Interdisci10(3), 53-63. Recuperado de: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/1124.

Oliveira, L. P., & Patel, B. N. (2015). Programa de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis e HIV/AIDS: uma experiência na Bahia. Revista Guará, (3), 113-117.
https://doi.org/10.30712/guara.v3i3.9842

Organização Mundial de Saúde - OMS. (2010) Relatório Mundial de saúde. Organização Mundial de Saúde. Recuperado de: http://www.who.int/eportuguese/publications/WHR2010.pdf

Rampelotto, R. F., Hörner, R., Oliveira, F., Bottega, A., Santos, S. O. (2016). Educação em saúde na adolescência: uma experiência acadêmica com alunos de escola pública. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 7(3), recuperado de http://publicase.unipampa.edu.br/index.php/siepe/article/view/15175/4801

Ribeiro, L. L., Moreira, W. C., de Carvalho, A. R. B., de Sousa, M. D. C. P., Carvalho, M. L., & de Castro, T. M. B. Q. (2017). Vulnerabilidades de pescadores de comunidades
ribeirinhas às Infecções Sexualmente Transmissíveis. Revista Cubana de Enfermería, 33(3). Recuperado de: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1231/288.

Sá, M. I., Silva, M. T., Almeida, D., Vieira, B., Lima, T., Conde, C., Teixeira, M., Lima, J., & Oliveira, T. (2015). Infeções sexualmente transmissíveis e factores de risco nas adolescentes e jovens: Dados de um Centro de Atendimento a Jovens. Nascer e Crescer, 24(2), 64-69. Recuperado de
http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0872-07542015000300003&lng=pt&tlng=pt.

Sampaio, J., Santos, R. C. D., Callou, J. L. L., & Souza, B. B. C. (2011). Ele não quer com camisinha e eu quero me prevenir: exposição de adolescentes do sexo feminino às IST/aids no semi-árido nordestino. Saude soc., 20(1), 171-181. Recuperado de:https://www.scielosp.org/article/sausoc/2011.v20n1/171-181/pt/.

Santos, C. M. A., Oliveira, J. D. S., Lima, S. V. M. A., Santos, A. D., Góes, M. A. O., Sousa, L. B. (2018). Conhecimentos, atitudes e prática de homens sobre infecções
sexualmente transmissíveis. Cogitare Enfermagem, 23(1). http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i1.54101

Santos, C. P., Barboza, E. C. S., Freitas, N. O., Almeida, J. C., Dias, A. C., & Araújo, E. C. (2016). Adesão ao uso do preservativo masculino por adolescentes
escolares. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 18(2), 60-70. https://doi.org/10.21722/rbps.v18i2.15085

Sehnem, G. D., Pedro, E. N. R., Ressel, L. B., & Vasquez, M. E. D. (2018). Adolescentes que vivem com HIV/aids: experiências de sexualidade. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, 1-22. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0194

Silva, A. T., Jacob, M. H. V. M., & Hirdes, A. (2017). Conhecimento de adolescentes do ensino médio sobre DST/AIDS no sul do Brasil. Aletheia, (46), 34-49. Recuperado de: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/aletheia/article/view/3230/2379.

Silva, J., Oliveira, D., Rocha Filho, D., Mesquita, N., Lima, M., Teixeira, H., & Costa, E. (2018). VULNERABILIDADE ÀS INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS/ AIDS
EM IDOSOS. REVISTA UNINGÁ, 53(1). Recuperado de http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1418.

Silva, L. M. D., & Cortez, E. A. (2017). Oficinas de educação permanente sobre infecção sexualmente transmissível: relato de experiência. Rev. enferm. UFPE on line, 11(supl. 5), 2250-2256. http://dx.doi.org/10.5205/reuol.9302-81402-1-RV.1105sup201734

Sousa, L. M. S. D., Silva, L. S., & Palmeira, A. T. (2014). Representações sociais de caminhoneiros de rota curta sobre HIV/AIDS. Psicologia & Sociedade, 26(2), 346-355. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822014000200011

Team, R. (2013). R development core team. RA Lang Environ Stat Comput, 55, 275-286. Recuperado de:
http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?-doi=10.1.1.470.5851&rep=rep1&type=pdf

Teva, I., Bermúdez, M. P., & Ramiro, M. T. (2013). Satisfacción sexual y actitudes hacia el uso del preservativo en adolescentes: evaluación y análisis de su relación con
el uso del preservativo. Revista Latinoamericana de Psicología, 46(2), 127-136. https://doi.org/10.1016/S0120-0534(14)70016-0

Thiesen, F. (2018). IST’SE USO DE PRESERVATIVOS. Revista UNIPLAC, 6(1). Recuperado de: https://revista.uniplac.net/ojs/index.php/uniplac/article/view/3627.

Vergès, P. (1992). L’évocation de l’argent: une méthode pour la définition du noyau central de la représentation. Bulletin de Psychologie, 45, 203-209. Recuperado
de: http://psycnet.apa.org/record/1998-01851-006

Wachelke, J., & Wolter, R. (2011). Critérios de construção e relato da análise prototípica para representações sociais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(4), 521-526.
http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722011000400017