Apego e parentalidade sob o enfoque transcultural: uma revisão da literatura Apego e parentalidade sob o enfoque transcultural: uma revisão da literatura

Contenido principal de artículos

Ana Paula Sesti Becker https://orcid.org/0000-0002-9278-437X
Mauro Luís Vieira https://orcid.org/0000-0003-0541-4133
Maria Aparecida Crepaldi https://orcid.org/0000-0002-5892-7330

Palabras clave

Apego, parentalidade, psicologia transcultural

Resumen

Objetivo: Analisar sistematicamente a produção científica acerca do apego e a parentalidade sob o enfoque transcultural.


Método: Realizou-se o levantamento de produções indexadas, a partir de buscas em bases de dados nacionais –Scielo Brasil– e CAPES –Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior–; e internacionais –PsycINFO–, mediante os seguintes descritores: Apego OR Bowlby AND parentalidade OR
“relação parental”; Attachment OR Bowlby AND Parenting OR Parenthood; e por fim, Apego OR Bowlby AND Parentalidad OR “Relaciones parentales”. Foram considerados os estudos nos idiomas português, inglês e espanhol, entre o período de 2013 a outubro de 2017. Após a definição dos critérios de inclusão, os cinco artigos retidos foram analisados com base nos aspectos metodológicos (dados da amostra, tipo de abordagem, tipo de estudo e técnica de coleta de dados), e posteriormente, foram submetidos a análise semântica, da qual derivou-se duas categorias temáticas: 1) Fatores que influenciam a formação do apego e a parentalidade e 2) Apego e relações parentais.



Resultados: Apontaram-se lacunas existentes no que se refere à produção científica especificamente ao tema elencado; tendo em vista a diversidade de estudos que englobam os sistemas de apego e temas transversais, como apego e desenvolvimento infantil, apego e psicopatologia, apego e maternidade, entre outros. Além disso, não foram encontrados estudos nacionais sobre a temática, assim como pesquisas transculturais a respeito. Em relação ao delineamento dos estudos encontrados, todos caracterizam-se pelo enfoque quantitativo e estudos longitudinais do tipo prospectivos - follow-up. As técnicas de coleta de dados que mais se sobressaíram foram a Entrevista de Apego Adulto (AAI), seguida da Situação Estranha
em pesquisas com amostras infantis.


Conclusão: Destaca-se que a Teoria do Apego necessita estar aberta para a revisão e a consideração das dimensões relacionadas à cultura. Isso implica ajustá-la à diferentes contextos culturais, históricos e sociais. Sugere-se, portanto, o incremento de novos estudos que contemplem a formação do apego, os quais venham disseminar intervenções parentais positivas para o ciclo de vida pessoal e familiar dos sujeitos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Abstract 126 | PDF COMPLETO Downloads 83

Referencias

Agishtein, P., & Brumbaugh, C. (2013). Cultural variation in adult attachment: the impact of ethnicity, collectivism, and country of origin. Journal of Social, Evolutionary, and Cultural Psychology, 7(4), 384-405. https://doi.org/10.1037/h0099181

Ainsworth, M.D.S. (1967). Infancy in Uganda: infant care and growth of love. Baltimore: John Hopkins.
Ainsworth, M. D. S. (1989). Attachments beyond infancy. American Psychologist, 44, 709-716. https://doi.org/10.1037/0003-066X.44.4.709.

Altafim, E. R. P. (2017). Avaliação da eficácia de um programa de intervenção preventiva em práticas educativas parentais. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

APA (2017). Attachment Theory and Developmental Psychology/Théorie de l’attachement et psychologie du développement. Acessado em 07 de dezembro de 2017. Disponível em: http://www.apa.org/pubs/journals/cbs/?tab=5

Araujo, M. L. D. (2016). Alterações antropométricas e metabólicas: um estudo longitudinal em adolescentes do sexo feminino de Recife/PE. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil.

Arcón, V. A. B., & Sánchez, A. R. R. (2018). Salud mental como efecto del desarrollo psicoafectivo en la infância. Psicogente, 21(39), 183-202. Disponível em:
http://www.scielo.org.co/pdf/psico/v21n39/0124-0137-psico-21-39-00183.pdf

Backes, M. S. (2018). A relação entre o envolvimento paterno e a abertura ao mundo em pais de crianças entre quatro a seis anos (Tese de Doutorado em Psicologia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Bailey, H.N., Redden, E., Pederson, D. E., & Moran, G. (2016). Parental Disavowal of Relationship Difficulties Fosters the Development of Insecure Attachment. Canadian Journal of Behavioural Science, 48(1), 49-59. https://doi.org/10.1037/cbs0000033

Berry, J.W. (1989). Impedes etics, emics and derived etics: The operationalization of a compelling idea. International Journal of Psychology, 24, 721-735. https://doi.org/10.1080/00207598908247841

Berry, J. W., Poortinga, Y. H., Segall, M. H. & Dasen, P. R. (1992). Cross-cultural psychology: Research and applications. New York: Cambridge University Press.

Berthelot, N., Ensink, K., Bernazzani, O., Normandin, L., Luyten, P., & Fonagy, P. (2015). Intergenerational transmission of attachment in abused and neglected mothers: The role of trauma-specific reflective functioning. Infant Mental Health Journal, 36, 200-212. https://doi.org/10.1002/imhj.21499

Bolsoni-Silva, A. T., Rodrigues, O. M. P. R., Abramides, D. V. M., Souza, L. S., & Loureiro, S. R. (2007). Práticas educativas parentais de crianças com deficiencia auditiva e de linguagem. Revista Brasileira de Educação Especial, 16(2), 265-282. https://doi.org/10.1590/S1413-65382010000200008

Bretherton, I. (1992). The origins of attachment theory: John Bowlby and Mary Ainsworth. Developmental Psychology, 28, 759-775. https://doi.org/10.1037/0012-1649.28.5.759

Bolze, S. D. A. (2016). Táticas de resolução de conflitos conjugais e parentais: Uma perspectiva da transmissão intergeracional (Tese de Doutorado em Psicologia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/177760/346987.pdf?sequence=1

Bossardi, C. N., Gomes, L., Vieira, M. L., & Crepaldi, M. A. (2013). Engajamento paterno no cuidado a crianças de 4 a 6 anos. Psicologia Argumento, 31(73), 237-246. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20267/pdf

Bowlby, J. (1988). A secure base: parent-child attachment and healthy human development. New York: Basic Books.

Bueno, R. V., & Vieira, M. L. (2014). Análise de estudos brasileiros sobre o pai e o desenvolvimento infantil. Psicologia Argumento, 32(76), 151-159. https://doi.org/10.7213/psicol.argum.32.076.AO10

Byng-Hall, J. (1995). Rewriting Family scripts: improvisations and systems change. New York/London: The Guilford Press.

Carter, B., & McGoldrick, M. (1995). Etnicidade e o ciclo de vida familiar. In B. Carter, & M. McGoldrick, As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (pp. 65-82). Porto Alegre: Artmed.

Chao, R. (2001). Integrating culture and attachment. American Psychologist, 56, 822- 823. https://doi.org/10.1037/0003-066X.56.10.822

Cia, F., Pamplin, R. C. de O., & Williams, L. C. de A. (2008). O impacto do envolvimento parental no desempenho acadêmico de crianças escolares. Psicologia em Estudo, 13(2), 351-360.
https://doi.org/10.1590/S1413-73722008000200018

Collins, N. L., & Read, S. J. (1990). Adult attachment, working models, and relationship quality in dating couples. Journal of Personality and Social Psychology, 58, 644-663.
https://doi.org/10.1037/0022-3514.58.4.644

Cowan, P. A., & Cowan, C. P. (2016). Transições familiares normativas, qualidade da relação do casal e desenvolvimento sadio dos filhos. In F. Walsh (Org.), Processos normativos da família – Diversidade e Complexidade. Porto Alegre: Artmed.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Crowell, J., & Treboux, D. (2001). Attachment security in adult partnerships. In C. Clulow (Org.), Adult attachment and couple psychotherapy (pp. 28-42). London/ New York: Routledge.

Dantas, S. D. (2012). Saúde mental e interculturalidade: Implicações e novas proposições diante dos desafíos em tempos de globalização. In S. D. Dantas, (Ogrs.), Diálogos Interculturais: Reflexões Interdisciplinares e Intervenções Psicossociais (pp. 109-160). São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Dessen, M. A. & Ribeiro, M. O. (2013). Envolvimento Paterno Durante o Nascimento dos Filhos: Pai “Real” e “Ideal” na Perspectiva Materna. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(1), 184-192. https://doi.org/10.1590/S0102-79722013000100020

Ensink, K., Normandin, L., Plamondon, A., Fonagy, P., & Berthelot, N. (2016). Intergenerational Pathways from Reflective Functioning to Infant Attachment Through Parenting. Canadian Journal of Behavioural Science, 48(1), 9-18. https://doi.org/10.1037/cbs0000030

Falcke, D., Wagner, A., & Mosmann, C. P. (2008). The Relationship Between Family of Origin and Marital Adjustment for Couples in Brazil. Journal of Family Psychotherapy, 19, 170-186. https://doi.org/10.1080/08975350801905020

Ferreira, M. C., Assmar, E. M. L., & Souto, S. O. (2002). O individualismo e o coletivismo como indicadores de culturas nacionais: convergências e divergências teórico-metodológicas. Psicologia em Estudo, 7(1), 81-89. https://doi.org/10.1590/S1413-73722002000100011

Fracasso, M. P., Lamb, M. E., Scholmerich, A., & Leyendecker, B. (1997). The ecology of mother-infant interaction in Euro-American and immigrant Central American families living in the United States. International Journal of Behavioral Development, 20, 207-217. https://doi.org/10.1080/016502597385298

Gomes, V. F., & Bosa, C. A. (2010). Representações mentais de apego e percepção de práticas parentais por jovens adultas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 11-18.
https://doi.org/10.1590/S0102-79722010000100003

Gomes, A. de A. & Melchiori, L.E. (2012). A teoria do Apego no contexto da produção científica. São Paulo: Cultura Acadêmica

Grunspum, H. (2008). A criança resiliente – resiliência e vulnerabilidade na criança. In: F.B. Assumpção Junior, E. Kuczynski, Situações psicossociais na infância e na adolescência, pp.59-90. São Paulo: Atheneu.

Hochman, B., Nahas, F. X., Oliveira Filho, R. S. de, & Ferreira, L. M. (2005). Desenhos de pesquisa. Acta Cirurgica Brasileira, 20(Suppl. 2), 2-9. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-86502005000800002

Hauser, S. (2007). Das verlorene Selbst: auswirkungen fru?her Verlusterfahrungen auf die adoleszente Entwicklung des Selbst. Selbstpsychologie: Europäische Zeitschrift fu?r psychoanalytische Therapieund Forschung, 8(28), 147-73.

Hazan, C., & Shaver, P. R. (1994). Attachment as an organizational framework for research on close relationships. Psychological Inquiry, 5, 1-22. https://doi.org/10.1207/s15327965pli0501_1

Johnson, S. M., & Whifen, V. E. (2012). Os processos do apego na terapia de casal e família. São Paulo: Roca.

Juric, S. (2009). The connection between adult partner attachment and parenting styles. Horizons of Psychology, 18(1), 63-87. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/282476505_Attachment_and_Parenting_Styles

Kikuchi, W. (2012). Relações hierárquicas do Japão contemporâneo: um estudo da consciência de hierarquia na sociedade japonea (Tese de Doutorado em Sociologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Leyendecker, B., & Lamb, M. E. (1999). Latino families. In M. E. Lamb (Ed.), Parenting and child development in "nontraditional" families (pp. 247-262). Mahwah, NJ, US: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Leyendecker, B., Lamb, M. E., & Scholmerich, A., & Fricke, D. M. (1997). Contexts as moderators of observed interactions: A study of Costa Rican mothers and infants from differing socioeconomic backgrounds. International Journal of Behavioral Development, 21, 15-34. https://doi.org/10.1080/016502597384965

Macarini, S. M., Crepaldi, M. A., & Vieira, M. L. (2016). A questão da parentalidade: Contribuições para o trabalho do psicólogo na terapia de famílias com filhos pequenos. Pensando famílias, 20(2), 27-42. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1679-494X2016000200003

Madigan, S., Plamondon, A., Vaillancourt, K., McKibbon, A., & Benoit, D. (2016). The Developmental Course of Unresolved/Disorganized States of Mind in a Sample of Adolescents Transitioning Into Parenthood. Canadian Journal of Behavioural Science, 48,(1), 19–31. https://doi.org/10.1037/cbs0000037

Matos, M. G., Magalhães, A. S., Féres-Carneiro, T., & Machado, R. N. (2017). Construindo o Vínculo Pai-Bebê: A Experiência dos Pais. Psico-USF, 22(2), 261-271. https://doi.org/10.1590/1413-82712017220206

Martins-Borges, L. M., & Pocreau, J. B. (2009). Reconhecer a diferença: o desafio da Etnopsiquiatria. Psicologia em Revista, 15(1), 232-245. Disponível em: http:// periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/627

McGoldrick, M., & Ashton, D. (2016). Cultura. In: F. Walsh, Processos normativos da família: diversidade e complexidade (4ª Edição). Porto Alegre: Artmed.

Melchiori, L. E., & Dessen, M. A. (2008). A teoria do apego: contribuições para a compreensão do desenvolvimento humano. In: V. L. F. Capellini, R. M. Manzoni, (Orgs.), Políticas Públicas, práticas pedagógicas e ensino-aprendizagem: diferentes Olhares sobre o processo educacional. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Meza, K. L., Salazar, L. D. L., & Berrío, C. A. (2018). Relación entre apoyo familiar y el rendimiento académico en estudiantes colombianos de educación primaria. Psicogente, 21(39), 102-115. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/psico/v21n39/0124-0137-psico-21-39-00102.pdf

Moro, M. R., & Lachal, C. (2008). As psicoterapias – modelos, método e indicações. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

Murta, S. G., Rodrigues, A. C., Rosa, I.de O., & Paulo, S. G. de. (2011). Avaliação de um programa psicoeducativo de transição para a parentalidade. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(53), 403-412. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2012000300012

Nascimento, C. C., & Coelho, M. R. M. (2006). Apego e perda ambígua: apontamentos para uma discussão. Revista Mal-estar e Subjetividade, 6(2), 426-449. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract& pid=S1518-61482006000200008

Nathan, T. (1986). La Folie des autres: Traité d’ethnopsychiatrie clinique. Paris: Dunod.
Newland, L. A., Coyl, D. D. (2010). Fathers’ role as attachment figures: an interview with Sir Richard Bowlby. Early Child Development and Care, 180(1), 25-32. https://doi.org/10.1080/03004430903414679

Paiva, G. J. (2004). Aspectos da teoria do equilíbrio, de Heider, em duas subculturas étnicas brasileiras. In S. D. DeBiaggi, & G. J. Paiva (Orgs.), Psicologia, E/Imigração e Cultura (pp. 83-96). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Parkes, C. M. (2009). Amor e perda – As raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus Editorial.


Pereira, M. G., Ferreira, G., & Paredes, A. C. (2012). Apego aos pais, relações românticas, estilo de vida, saúde física e mental em universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(4), 762-771. https://doi.org/10.1590/S0102-79722013000400017

Pontes, F. A., Silva, S. S. C., Garotti, M., & Magalhães, C. M. C. (2007). Teoria do apego: elementos para uma concepção sistêmica da vinculação humana. Aletheia, 26, 67-79. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n26/n26a07.pdf

Portes, J. R. M., Vieira, M. L., Crepaldi, M. A., Moré, C. L. O., & Motta, C. C. L. (2013). A criança com síndrome de Down: na perspectiva da Teoria Bioecológica do Desenvolvimento Humano, com os fatores de risco e de proteção. Boletim de Academia Paulista, 33(85), 446-464. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1415-711X2013000200015

Posada, G., Jacobs, A., Richmond, M. K., Carbonell, O. A., Alzate, G., Bustamante, M. R., & Quiceno, J. (2002). Maternal caregiving and infant security in two cultures. Developmental Psychology, 38, 67-78.
https://doi.org/10.1037/0012-1649.38.1.67

Quezado, I., Costa, J. S., Peñaloza, V., Matos, F. R., & Ferraz, S. B. (2015). Sempre cabe mais um? Uma investigação cross-cultural do comportamento do consumidor em ambiente aglomerado. R. Adm. FACES Journal, 14(3), 56-74. Disponível em: http://www.fumec.br/revistas/facesp/article/view/2282

Reio Jr., T. G., Marcus, R. F., & Sanders-reio, J. (2009). Contribution of student and instructor relationships and attachment style to school completion. Journal of genetic psychology, 170(1), 53-71. https://doi.org/10.3200/GNTP.170.1.53-72

Rempel, L. A., Khuc, T. N., Rempel, J., & Vui, L. T. (2017). Influence of Father– Infant Relationship on Infant Development: A Father-Involvement Intervention in Vietnam. Developmental Psychology, 53(10), 1844-1858. https://doi.org/10.1037/dev0000390

Ribas, A. F. P., & Moura, M. L. S. (2004). Responsividade Materna e Teoria do Apego: Uma Discussão Crítica do Papel de Estudos Transculturais. Psicologia: Reflexão e crítica, 17(3), 315-322. https://doi.org/10.1590/S0102-79722004000300004

Rothbaum, F., Weisz, J., Pott, M., Miyake, K., & Morelli, G. (2000). Attachment and culture: Security in the United States and Japan. American Psychologist, 55, 1093-1104.
https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.10.1093

Sampaio, R. F., & Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, 11(1), 83-89. https://doi.org/10.1590/S141335552007000100013

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5ª Ed. Porto Alegre: Penso.
Schmidt, E. B., & Argimon, I. I. L. (2009). Vinculação da gestante e apego materno fetal. Paidéia (Ribeirão Preto), 19(43), 211-220. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2009000200009

Scola, C., & Vauclair, J. (2010). Infant holding side biases displayed by fathers in maternity hospitals. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 28(1), 3-10. https://doi.org/10.1080/02646830903190938

Semensato, M. R., & Bosa, C. A. (2013). O script de apego compartilhado no casal. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 65(1), 138-151. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672013000100010

Szepsenwol, O., Simpson, J. A., Griskevicius, V., & Raby, K. L. (2015). The Effect of Unpredictable Early Childhood Environments on Parenting in Adulthood. Journal of Personality and Social Psychology, 109(6), 1045-1067. https://doi.org/10.1037/pspi0000032

Ueno, L. S. (2008). Migrantes em trânsito entre Brasil e Japão: Uma intervenção psicossocial no retorno. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo-USP. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-14012009-153211/pt-br.php

Van Ijzendoorn, M., & Sagi, A. (2004). Cultural blindness or selective inattention? American Psychologist, 56(10), 824-825. https://doi.org/10.1037/0003-066X.56.10.824

Waters, H. S., & Waters, E. (2006). The attachment working models concept: among other things, we build script-like representations of secure base experiences. Attachment & Human Development, 8(3), 185-197. https://doi.org/10.1080/14616730600856016